Após escalada de ataques, empresas vão investir mais em cibersegurança em 2022

A PwC Digital Trust Insights 2022 indica que 83% das organizações do Brasil devem investir mais em segurança cibernética. Cerca de 45% delas preveem um avanço de 10% ou mais nos gastos.

293

Leer en español

A segurança cibernética é uma preocupação cada vez maior para CEOs, membros da diretoria, do conselho e líderes de TI e segurança. A pesquisa PwC Digital Trust Insights 2022 mostrou que os executivos temem a exposição de duas empresas e, para evitar esses riscos, 83% delas devem aumentar os gastos em segurança cibernética no ano que vem.

No restante do mundo, a previsão de crescimento é em 69% das organizações. Em 2020, os índices foram de 55% para o Brasil e 57% na previsão global.

Quase a metade dos líderes brasileiros (45%) preveem um avanço de 10% ou mais nos gastos, sendo que, no ano passado, apenas 14% tinham essa previsão. Tanto os CEOs como outros altos executivos acreditam que a missão da cibersegurança está mudando e assumindo um papel importante no desenvolvimento da confiança e na expansão dos negócios.

O Brasil é o país da América Latina mais visado pelos cibercriminosos. Nos primeiros oito meses de 2021, ele recebeu uma média de 1.390 ataques por minuto. Já o segundo colocado, o México, teve 299 ataques por minuto. 

O estudo mostra que 2021 já parece ser um dos piores registrados para a segurança cibernética. Só nos últimos dias, o Brasil reportou problemas com grandes empresas como a CVC Corp e a Renner.

Em relação aos riscos de terceiros e da cadeia de suprimentos, a pesquisa aponta que aproximadamente 25% das organizações do mundo têm pouca ou nenhuma compreensão sobre os perigos. No Brasil, os índices são melhores tanto para a compreensão das ameaças quanto para a realização de ações relacionadas. 

Solução

Segundo a PwC, o caminho para reduzir esses perigos é romper com os maus hábitos que surgiram nos últimos anos em nome da velocidade, como implementar produtos sem considerar a segurança; permitir que unidades de negócio tomem decisões autônomas e não verificadas de compra de tecnologia ou contratação de terceiros; gerenciar a área cibernética e a privacidade separadamente do gerenciamento de riscos corporativos; entre outros.

A PwC Digital Trust Insights 2022 foi realizada entre julho e agosto de 2021, com 3.602 executivos de negócios, tecnologia e segurança. Destes, 124 eram do Brasil.