Brasil | BNDES apoia criação de centro de pesquisa e desenvolvimento de telecomunicação

Investimentos em novo projeto da DPR tornarão a cadeia produtiva nacional mais competitiva.

136

BNDES

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento à DPR Telecomunicações (DPR) para a criação de um novo centro de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) e a realização de investimentos na expansão e modernização da sua unidade fabril, localizada em Sorocaba (SP). O apoio permitirá que a empresa desenvolva e fabrique novos produtos e soluções para o setor de telecomunicações. Com o projeto, mais de 40 postos de trabalho diretos serão criados, elevando o número de contratações para aproximadamente 300 funcionários até o final do ano.

A operação, no valor de R$ 30 milhões, utilizará recursos do Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações (Funttel), que apoia investimentos em inovações tecnológicas de empresas nacionais de telecomunicações, de modo a ampliar a competitividade da indústria brasileira do setor.  “Este apoio trará soluções tecnológicas inovadoras ao mercado, fortalecerá a infraestrutura de telecomunicações e a cadeia produtiva de equipamentos desenvolvidos e fabricados por nós para serem distribuídos para todo o país. A expectativa é de que novas patentes sejam adquiridas e novos produtos sejam lançados pela DPR até 2022”, comenta o Presidente da DPR, Luis Carlos Vicente. “Além dos investimentos em P&D, previstos no Plano de Inovação da empresa, será construído um novo galpão industrial de dois mil metros quadrados, permitindo a expansão das atividades na unidade fabril de Sorocaba”, explica.

Para o Diretor de Crédito Produtivo e Socioambiental, Bruno Aranha, “o financiamento ao plano de investimentos da DPR se insere na atuação do BNDES no apoio à inovação e ao fortalecimento da indústria nacional de tecnologia. Estamos trabalhando para a inclusão digital de todas as regiões do Brasil, apoiando projetos como este, que vão expandir a conexão digital dos brasileiros, inclusive por meio de provedores de acesso de menor porte”.

A companhia, que fabrica e distribui equipamentos e soluções para a construção de redes de banda larga (fibra ótica), tem como clientes grandes operadoras de telecomunicação e também provedores regionais de menor porte. O setor de telecomunicações apresenta perspectivas de continuados investimentos para ampliação do acesso a redes de banda larga, especialmente em regiões desatendidas do país, além de investimentos em aumento da capacidade em função das futuras redes de 5G.