Brasil | Documento do Ministério da Saúde inclui setor de telecom como prioridade na vacinação

303

Teletime – Marcos Urupá

Um suposto documento elaborado pelo Ministério da Saúde está sendo utilizado por secretarias de saúde municipais para colocar os trabalhadores do setor de telecomunicações dentro do grupo de prioridades de vacinação da Covd-19. É possível acessá-lo em sites de algumas cidades dos estados de Santa CatarinaMinas Gerais e Goiás, por exemplo. A apresentação, que contém assinatura da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações do ministério, inclui os trabalhadores de telecomunicações dentro do rol de trabalhadores industriais, que receberam prioridade.

O documento, supostamente elaborado em 11 de junho, é um detalhamento do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 (PNO), que define as diretrizes e ordenamento de vacinação contra a covid-19 a serem seguidas nos estados e municípios. Nele, constam no grupo 27 de prioridades de vacinação os trabalhadores industriais, com a definição de que este grupo é composto pelos trabalhadores de serviços essenciais, fazendo menção direta ao Decreto 10.282/2020. Neste decreto, telecomunicações e internet são qualificados como serviços públicos e atividades essenciais.

Ao TELETIME, entidades setoriais de telecomunicações como Conexis Brasil Digital e Feninfra afirmaram desconhecer essa inclusão. Em junho, diversas entidades se uniram na campanha para garantir a vacina para os profissionais de telecomunicações. O principal argumento é o de que o setor não parou durante a pandemia garantindo o funcionamento do restante da economia, e que os profissionais permaneceram ativos mesmo com as restrições sanitárias. A Anatel também encaminhou carta ao Ministério da Saúde solicitando que avaliasse uma condição de prioridade. Até o momento, nenhuma delas recebeu qualquer tipo de manifestação do Ministério da Saúde.

Mais informações: https://teletime.com.br/02/08/2021/documento-do-ministerio-da-saude-inclui-setor-de-telecom-como-prioridade-na-vacinacao/