Brasil | Setor elétrico quer redes próprias de telecom na evolução do smart grid

119
High power electricity poles in urban area connected to smart grid. Energy supply, distribution of energy, transmitting energy, energy transmission, high voltage supply concept photo.

Convergência Digital – Ana Paula Lobo e Luis Osvaldo Grossmann

As redes inteligentes de energia elétrica já são uma realidade do setor, ainda que não pareça evidente ao consumidor residencial. Mas na indústria que consome alta tensão e em estruturas críticas das redes de eletricidade, o smart grid avança na automação de equipamentos e em sistemas de telecomunicações dedicados. E os planos são de intensificar a digitalização, inclusive para os consumidores de baixa tensão. 

“O smart grid vem decolando. Tem uma série de investimentos, que acontecem em camadas, na automação de rede, qualidade da energia para o cliente, medição inteligente na última milha”, aponta o superintendente de smart grids da Neoenergia, Ricardo Robles Leite, em entrevista exclusiva à CDTV, do portal Convergência Digital.

Ele detalha que “em automação de rede, a Neoenergia já investiu em mais de 13 mil equipamentos religadores, que fazem a composição da rede, e 17% deles já fazem o ‘self healing’, a reconfiguração. Então no caso de falta de energia em determinado ponto da rede, esse equipamento se reconfigura e isola apenas o trecho com defeito e reenergiza os demais equipamentos”.

Mais informações: https://www.convergenciadigital.com.br/Telecom/Setor-eletrico-quer-redes-proprias-de-telecom-na-evolucao-do-smart-grid-58407.html