Brasil terá 10 cidades como Destinos Turísticos Inteligentes

O projeto vai avaliar os municípios e traçar estratégias para que eles ofereçam produtos e experiências inovadoras.

373

Leer en español

Dez cidades brasileiras se comprometeram, nesta quarta-feira, 30, a participar do programa Destinos Turísticos Inteligentes, uma parceria entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e o Ministério do Turismo (MTur). 

Segundo a Sociedade Mercantil Estatal para a Gestão da Inovação e as Tecnologias Turísticas, da Espanha, um destino turístico inteligente oferece produtos e experiências únicas, inovadoras e de qualidade, sendo estruturado em cinco pilares: governança, inovação, tecnologia, sustentabilidade e acessibilidade.

A iniciativa vai avaliar os municípios escolhidos e traçar estratégias para o desenvolvimento do turismo local de forma inovadora, incluindo a capacitação de gestores regionais. Dessa forma, a visitação pode ser ampliada, gerando o desenvolvimento da cidade.

Cada localidade que aderiu ao projeto piloto representa uma das cinco regiões do país. São elas: Rio Branco, do Acre; Palmas, de Tocantins; Recife, de Pernambuco; Salvador, da Bahia; Campo Grande, de Mato Grosso do Sul; Brasília, do Distrito Federal; Florianópolis, de Santa Catarina; Curitiba, do Paraná; Rio de Janeiro e Angra dos Reis, do Rio de Janeiro.

No evento, o ministro Marcos Pontes disse que tecnologias como Inteligência Artificial e Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) podem ajudar o setor de turismo a dar um salto.

“A gente precisa colocar infraestrutura adequada para atender os turistas. Nós temos programas convergentes como o Plano Nacional de IoT, que inclui o Turismo 4.0. O Brasil pode ser um dos protagonistas no planeta e tem todas as condições para isso”, afirmou.

O Secretário Nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo, William França, ressaltou que a intenção do projeto “é tornar cada destino escolhido um ambiente que consiga garantir uma experiência inovadora e única aos visitantes, com destinos mais competitivos e atraentes”.

Apesar de ter sido desenhada com parceria de instituições da Espanha e da Argentina, o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, explicou que o Brasil vai buscar uma estratégia própria que atenda às necessidades locais.

Cenário brasileiro

O turismo é um dos setores mais afetados pela pandemia de Covid-19 no Brasil. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CDC) calcula que de março de 2020 a abril de 2021, o segmento perdeu R$ 341,1 bilhões.