Fábio Faria comemora leilão 5G de R$ 47,2 bilhões e 6 novas operadoras

“É o maior leilão da história da América Latina e o segundo maior leilão da história do Brasil”, afirmou Fábio Faria. O ministro quer outra licitação para os lotes vazios da faixa de 26 GHz em 2022.

157

Leer en español

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, anunciou nesta sexta-feira, 5, que o valor econômico final da licitação para o 5G foi de R$ 47,2 bilhões. Esse valor inclui os lances das empresas – R$ 7,44 bilhões – e os compromissos atrelados a cada faixa de frequência.

Abraão Balbino, presidente da Comissão Especial de Licitação (CEL), explicou que o resultado corresponde à venda de mais de 85% do total de espectro que foi disponibilizado. Em relação aos compromissos, “todas as obrigações de cobertura que foram disponibilizadas, estão assumidas por proponentes vencedoras.” Apenas para as escolas, o valor arrecadado foi de R$ 3,1 bilhões.

O Conselheiro Emmanoel Campelo acrescentou que o edital previa que todo o ágio oferecido viraria recursos para compromissos, mas o leilão foi tão grande que é possível que faltem obrigações para alocar todo o ágio.

Novas prestadoras e próximo leilão

Outro efeito positivo do processo licitatório apontado por Faria foram as seis novas operadoras no mercado: Winity II, Brisanet, Consórcio 5G Sul, Neko, Fly Link e Cloud2U. “É o maior leilão da história da América Latina e o segundo maior leilão da história do Brasil”, disse o ministro.

Ele ainda indicou que os lotes vazios da faixa de 26 GHz, que não possuem modelos de negócios definidos, podem ser comercializados em breve. “Quem sabe no próximo ano, no primeiro e no segundo semestre”.

O conselheiro Carlos Baigorri esclareceu que, “se em algum momento a gente entender que é oportuno, [podemos] publicar o edital nos mesmos termos. Não seria um novo leilão, mas a republicação deste leilão.”

Também estiveram presentes na coletiva de imprensa Artur Coimbra, Secretário de Telecomunicações do Ministério, e Raphael Garcia, atual presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A gestão de Leonardo Euler de Morais acabou na última quinta-feira, 4.