Marcos Pontes participa da comemoração de parceria entre Brasil e Argentina para produção de energia nuclear

128
Foto: Odjair Baena (SEAPC/MCTI)

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, astronauta Marcos Pontes, participou do evento de comemoração dos 30 anos da Agência Brasileiro-Argentina de Contabilidade e Controle de Materiais Nucleares (ABACC). A parceria entre os dois países é um marco no contexto internacional com objetivo da não-proliferação nuclear. O MCTI é representado na agência pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN), vinculada ao ministério. O ministro Marcos Pontes ressaltou durante discurso a importância da parceria entre Brasil e Argentina para o assunto.

“É muito bom ver o sucesso dessa agência e seu futuro. Quero dizer que no Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovações, aqui no Brasil, estamos completamente alinhados para auxiliar com o que pudermos fazer com os nossos laboratórios e todas as nossas instituições para trabalhar de maneira sinérgica no Brasil e com os parceiros da Argentina, no desenvolvimento de soluções que sejam úteis para o dia a dia de cada um de nossos moradores – nós precisamos trabalhar juntos”.

O Brasil tem compromissos internacionais de não-proliferação nuclear garantidos na Constituição Federal de 1988. O programa nuclear brasileiro é de fins pacíficos. Neste ano, o Governo Federal criou a Autoridade Nacional de Segurança Nuclear (ANSN), uma autarquia que terá a função de fiscalizar todas as atividades nucleares promovidas no país. O ministro Marcos pontes lembrou que o Brasil tem a oportunidade de protagonizar no mundo o desenvolvimento de tecnologias que melhorem a qualidade de vida das pessoas e o desenvolvimento sustentável. O evento contou também com a participação dos ministros das Relações Exteriores, Carlos França e do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Leia aqui: https://www.gov.br/mcti/pt-br/acompanhe-o-mcti/noticias/2021/07/marcos-pontes-participa-da-comemoracao-de-parceria-entre-brasil-e-argentina-para-producao-de-energia-nuclear