Roubo de cabos prejudicou 6,6 milhões de pessoas em 2020

Foram 4,6 milhões de metros de cabos roubados ou furtados no ano passado, um aumento de 16% em relação a 2019.

201

Leer en español

Cerca de 6,679 milhões de clientes tiveram seus serviços de telecomunicações interrompidos pelo roubo ou furto de cabos das redes em 2020, segundo dados da Conexis. O número é 34% maior do que o registrado em 2019, quando 5 milhões de pessoas foram prejudicadas.

A associação estima que foram 4,6 milhões de metros de cabos roubados ou furtados, um aumento de 16% em relação ao ano anterior. “Quantidade suficiente para cobrir a distância entre o Oiapoque (Amapá) e Chuí (Rio Grande do Sul) mais a distância entre as cidades de São Paulo (SP) e Belo Horizonte (Minas Gerais)”, diz o comunicado.

As ocorrências também aumentaram no ano passado, passando de 94 mil para 96 mil.

“Você vê o quanto isso está afetando as grandes cidades e dificultando também as comunidades mais carentes de ter acesso, por exemplo, a uma educação a distância”, afirmou Marcos Ferrari, presidente da Conexis, à DPL News.

O furto, roubo e a receptação de cabos e equipamentos prejudicam tanto os clientes, que ficam sem acesso aos serviços, quanto às empresas, que precisam repor a infraestrutura. Além disso, as ações criminosas comprometem serviços de utilidade pública como polícia, bombeiros e emergências médicas.

A associação afirmou, em nota, que defende uma ação coordenada de segurança pública envolvendo o Judiciário, o Legislativo e o Executivo, tanto o federal quanto os estaduais, e a aprovação de projetos de lei que aumentem as penas e ajudem a combater esses crimes.

A Conexis ainda chamou a atenção para o aumento, nos últimos anos, de bloqueio do acesso às antenas que atendem à rede móvel e às infraestruturas usadas na rede fixa, além do crescimento do vandalismo e a imposição de serviços piratas.