Setor de telecom no Brasil investiu R$ 25,5 bilhões até o 3º trimestre

Os recursos foram aplicados na melhoria de fibra óptica, da rede móvel e da qualidade das conexões, segundo Marcos Ferrari, da Conexis. Os serviços de banda larga fixa e móvel foram os que mais cresceram no período.

158

Leer en español

O setor de telecomunicações investiu R$ 25,5 bilhões de janeiro a setembro de 2021, um crescimento de 4,8% em comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo dados da Conexis Brasil Digital. Só no terceiro trimestre deste ano, o montante investido foi de R$ 8,4 bilhões.

Os recursos foram aplicados principalmente em fibra óptica, no reforço da rede móvel e na melhoria na qualidade das conexões, disse Marcos Ferrari, presidente da associação. “Se o setor mantiver, no quarto trimestre, a mesma performance dos nove primeiros meses do ano, fecharemos 2021 com crescimento nos investimentos. Isso sem contar os valores das outorgas adquiridas no leilão do 5G.”

As operadoras vão pagar ao Tesouro Nacional, no total, R$ 4,8 bilhões pela outorga das faixas de frequência para o 5G.

De julho a setembro, os serviços de banda larga fixa e móvel foram os que mais cresceram: 10,4% em relação ao terceiro trimestre do ano passado. Os dados da Conexis mostram que foram ativados 4 milhões de novos acessos de banda larga fixa e 22 milhões de banda larga móvel no período.

Além disso, 77% dos acessos da banda larga já tem velocidade acima de 34 Mbps. Em 2017, eram 13%. Neste ano, a cobertura 4G também alcançou 5.484 municípios onde residem 98,3% da população.

Já a receita das empresas de telecomunicações chegou a R$ 194,6 bilhões nos nove primeiros meses do ano, o que revela uma queda de 2,5% em relação a 2020. Para a Conexis, as receitas caindo fazem com que as empresas foquem na produtividade para manter a rentabilidade dos negócios.

Perspectivas para 2022

A expectativa da indústria brasileira para o ano de 2022 não é das melhores: o Brasil terá o menor crescimento do produto interno bruto (PIB), de 1,44%, e a inflação deverá continuar alta. O PIB deverá chegar ao nível de dezembro de 2014 apenas em junho de 2023.

A boa notícia é que o 5G – que deverá estar ativo em todas as capitais até o final de julho – poderá contribuir para a retomada do crescimento brasileiro, principalmente com o aumento da eficiência e da produtividade da indústria brasileira. 

Também há previsão para que os recursos do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações (Fust) sejam aplicados pela primeira vez para ampliar a conectividade no país.