Teles serão prejudicadas com reforma tributária, segundo BTG

Telecom será um dos setores mais afetados pela reforma tributária sugerida pelo governo, se não houver mudança na estrutura de capital.

254

Leer en español

Uma análise do BTG Pactual revelou que empresas de telecomunicações estão entre as mais afetadas pela segunda fase da reforma tributária, apresentada na semana passada pelo governo brasileiro à Câmara dos Deputados.

O estudo simulou os efeitos em 150 empresas de capital aberto sob a cobertura do banco e, segundo os analistas do BTG, as companhias que pagam muitos juros sobre o capital próprio, como bancos e organizações de telecomunicações, seriam os mais afetados. Em 2023, suas taxas aumentariam cerca de 5% e os ganhos cairiam 9%.

A projeção não considera possíveis alterações no pagamento de dividendos atual das companhias ou em suas estruturas de capital.

Para as teles, a previsão é de queda de 8,6% na receita no ano que vem e de 9% em 2023, com crescimento efetivo do imposto de 6,4% e 6,5% nos próximos dois anos.

No caso da Vivo, a redução em 2022 seria de 8,9% e de 9,3% no ano seguinte, com aumento das taxas em 6,7%. Além disso, os analistas do BTG afirmam que um possível efeito na operadora é a redução da distribuição de ações em 20% em 2023.

Já a TIM teria uma queda no resultado líquido de 8% no próximo ano e de 8,6% em 2023, com aumento das taxas em 6% e 6,2%, respectivamente.

“Por outro lado, em geral, empresas que não fazem pagamentos de juros sobre capital próprio devem ver seus ganhos crescerem devido à redução da alíquota de imposto. Nós estimamos que infraestrutura, aluguel de automóveis, bens de capital, óleo e gás e ganhos de empresas de agronegócio podem aumentar entre 6% e 8% em 2023”, diz o relatório.

Mesmo assim, embora algumas companhias tenham maior receita, seus acionistas podem receber menos dinheiro na distribuição, já que o aumento da receita pode não ser suficiente para compensar a taxação sobre dividendos, previsto na reforma.

Para os analistas, um imposto sobre dividendos pode levar as empresas a reduzir os pagamentos para reinvestir uma parte maior de seus ganhos ou estimular fusões e aquisições.

Reforma tributária

O ministro da Economia do Brasil, Paulo Guedes, entregou o segundo projeto de lei da reforma tributária à Câmara dos Deputados na última sexta-feira. A proposta altera a cobrança de Imposto de Renda de pessoas físicas e jurídicas e da tributação de lucros e dividendos.

Nesta versão do documento, a tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física será atualizada, reajustando a faixa de isenção de R$ 1.903,98 para R$ 2.500,00 mensais. Além disso, a tributação sobre lucros e dividendos para pessoas físicas, que atualmente são isentas, será de 20% na fonte.