Vivo vai pagar mais de R$ 15 bilhões à FiBrasil

O contrato de 10 anos prevê o apoio à expansão da cobertura de fibra da Vivo para mais de 3 milhões de casas.

147

Leer en español

A Vivo detalhou para a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), no começo desta semana, os acordos com a FiBrasil, joint venture criada com o fundo canadense Caisse de dépôt et placement du Québec (CDPQ). O valor do contrato principal ultrapassa R$ 15,3 bilhões.

Segundo o documento enviado à CVM, o acordo comercial estabelece exclusividade de seis meses dos serviços da FiBrasil para a Vivo. Além disso, o contrato tem vigência de 10 anos por cidade, “com possibilidade de renovação por dois períodos consecutivos de 5 anos”.

O objetivo deste compromisso é possibilitar uma “cobertura nacional e a expansão de sua presença [da Vivo] em mais de 3 milhões de casas; e apoiar a operacionalização da FiBrasil, beneficiando-se das sinergias que podem ser capturadas”.

Outros demais compromissos dizem respeito aos valores que a nova empresa pagará à Vivo. 

O acordo de transação determina que a operadora deve exercer toda a supervisão, direção, orientação técnica e administrativa. Este contrato tem o valor de R$ 340 milhões e vigência de 12 meses, “com a possibilidade de renovação por dois períodos consecutivos de 3 meses”, diz o texto.

O objetivo é suportar a operação da FiBrasil por meio da contratação de funcionários e serviços internos da Vivo, como operação e manutenção de redes, TI, logística e site hunting, durante os primeiros meses da joint venture, até que seja totalmente operativa.

O compromisso que envolve o planejamento estratégico da gestão de redes e monitoramento de obras de fibra é valorado em R$ 69,5 milhões, tem vigência de 36 meses e obriga as duas empresas a definirem, em conjunto, o projeto de edificação. 

Ainda há um acordo referente ao compartilhamento de pontos de fixação em postes. Sua vigência é de 4 anos e é estimado em R$ 207,8 milhões. Segundo o documento, a FiBrasil poderá utilizar os pontos das 18 concessionárias de energia com as quais a Vivo tem contrato, sob as mesmas condições.

A FiBrasil começou as operações no começo deste mês, com o objetivo de apoiar o aumento da cobertura de fibra (FTTH). A empresa de fibra tem como sócio a Telefônica, com 50% de participação, e o CDPQ, com o restante do negócio. A meta da Vivo é expandir sua cobertura para mais de 24 milhões de residências até o final de 2024.